Buscar

Trilhas do Rio Preto

Atualizado: 15 de Abr de 2019


Saiba como são as trilhas do Parque Estadual do Rio Preto



Depois de muito planejamento, finalmente fomos em um feriadão conhecer o parque considerado "o mais bonito de Minas Gerais" (para saber mais sobre o parque, clique aqui).


As trilhas, cachoeiras e os rios são os grandes atrativos desse parque. Há opções para toda a família e até o menor dos trajetos, é incrivelmente bonito.


Ao todo existem três trilhas que podem ser visitadas, mas apenas uma pode ser feita sem um guia do parque. Também a outras atrações que o visitante pode conhecer por conta própria, como as pinturas rupestres, dois mirantes (na estrada entre a portaria e o parque) e a Forquilha, o encontro do Rio Preto com o Córrego das éguas.


Dedicamos três dias para conhecer o parque, um dia para cada trilha. Foi o suficiente para conhecer os principais atrativos do parque e para deixar um gostinho (muito forte) de quero mais.


Trilha do Cerrado


Precisa de Guia: Não


Distancia: Cerca de 8 km ( Todo o trajeto - ida e volta)


É a menor das trilhas do Parque, mas nem por isso deixa de ser interessante. Os Principais Atrativos são: Poço do Veado, Rio Lento e o Vau das Éguas.


Como chegamos ao parque por volta das 14 horas e não haveria possibilidade de fazer as outras trilhas, optamos por conhecer a Trilha do Cerrado. Confesso que não tinha muita expectativa, mas foi surpreendente. O Poço do Veado, primeiro atrativo do trajeto é um ótimo lugar para nadar e curtir com a família. É um poço grande, repleto de peixes, alguns bem maiores do que os que vemos nas cachoeiras por aí, e belíssimo, talvez estivesse mais bonito por ser fim de tarde. O poço estava tão convidativo que passamos o resto do dia por lá.



Trilha das Cachoeiras



Cachoeira do Crioulo


Precisa de Guia: Sim


Distancia: É um circuito de 15 Km


É o mais longo passeio do parque e também leva aos atrativos mais procurados. Resolvemos fazer esse percurso no segundo dia, pois sabíamos que ele tomaria mais tempo e o esforço físico seria maior. Chegamos cedo ao parque, um pouco antes das nove horas, e saímos no primeiro passeio guiado do dia (Todos falaram que é a melhor o opção).


Logo no inicio há uma longa e cansativa subida, mas o visual fica cada vez mais bonito. Há diversos mirantes e pontos onde podemos contemplar as belezas da região.



Chegamos na Cachoeira do Crioulo pela parte alta, fizemos uma rápida parada para fotos e descemos rapidamente para a parte baixa. É uma das cachoeiras mais bonitas e mais legais para nadar que já visitei. O seu poço é enorme e de águas escuras. Se você achou ela bonita nas fotos, te garanto que pessoalmente é muito mais.


Cachoeira do Crioulo

Ficamos ali por cerca de uma hora (o guia me disse que o tempo de permanência pode variar de grupo para grupo) e seguimos pelo leito do rio até a segunda cachoeira. A trilha fica um pouco mais complicada nessa parte, mas continua linda.


A Cachoeira das Sempre Vivas é bem diferente. As águas caem na pedra e logo escorrem, formando um poço mais embaixo.


Cachoeira das Sempre Vivas

Depois de ficar um tempo curtindo a cachoeira, seguimos mais um pouco pela trilha e chegamos à Forquilha: local onde o Rio Preto encontra o Córrego das Éguas. A Forquilha é mais um local ótimo para banho. As águas calmas e não tão frias dos rios são repletas de peixes e há vários pontos de areia nas margens.


A Forquilha fica localizada a 2,2 km do estacionamento do Parque. Se o objetivo for apenas ir até ela, não há necessidade de guia.


Trilha das Corredeiras


Precisa de Guia: Sim


Distancia: Pouco mais de 9 Km (ida e volta)


Separamos o nosso último dia no parque para a Trilha das Corredeiras. Por ser uma trilha menor e mais rápida que a trilha das cachoeiras, daria tempo de conhecer e voltar para casa com tranquilidade.


No inicio da trilha está o Poço de Areia: Praticamente uma praia! Atravessamos o rio pulando algumas pedras e começamos a trilha. A trilha é uma subida longa e pouco íngreme. Como iniciamos as 10 horas, o sol quente tornou tudo mais cansativo, mas no final valeu a pena.


O rio desce pelas pedras formando as corredeiras. Abaixo, há um poço propicio para quem quer nadar.



Após um bom tempo nadando e brincando nas corredeiras, pegamos a trilha de volta. Aproveitamos para conhecer a pequena cachoeira da Vargem Grande: pequena, mas de águas incrivelmente cristalinas.

Dicas de viagem e turismo em Minas Gerais