Buscar

Travessia Lapinha - Tabuleiro

Atualizado: 24 de Abr de 2019



Partindo do distrito de Lapinha da Serra (Santana do Riacho) e com destino ao distrito de Tabuleiro (Conceição do Mato Dentro), a travessia Lapinha – Tabuleiro é uma das mais conhecidas travessias do estado de Minas Gerais.




Percorrendo a Serra do Espinhaço, a travessia geralmente é realizada em 2 ou 3 dias, podendo ser feita por vários caminhos, por isso é importante contratar um guia, uma empresa especializada ou estudar bem o percurso.




Atualização: foi implantado um trajeto oficial para a travessia. O objetivo é trazer maior segurança para os aventureiros e uma maior proteção para o meio ambiente. Você pode obter o trajeto oficial entrando em contato com o Parque Estadual Serra do Intendente.

Logo no inicio é possível avistar ou até subir, dependendo do caminho escolhido, o Pico do Breu - ponto mais alto da região. Ao longo de todo o trajeto a diversidade do ecossistema local com seus campos rupestres, o típico cerrado mineiro, os rios de água cristalina e o relevo garantem uma paisagem inesquecível.

Os acampamentos são montados ao redor das casas de moradores locais simpáticos e acolhedores, onde você pode aprender um pouco da cultura da região e apreciar a típica culinária mineira.


O grande atrativo da travessia é a Cachoeira do Tabuleiro, que se encontra no distrito que leva o mesmo nome, também conhecida como a ‘cachoeira do coração’, devido ao formato do paredão rochoso por onde caem as suas águas.


Principais Atrativos e Pontos


Pico do Breu: Do alto do pico, com seus 1.687 m de altitude, o Pico do Breu proporciona uma bela vista aos que chegam lá em cima, mas cuidado: a subida e descida do pico são íngremes e lentas, podendo atrapalhar no prosseguimento da Travessia.


Prainha: Primeiro ponto do rio parauninha onde é mais agradável de nadar. Fica próxima a casa da Ana Benta.


Casa da Ana Benta: Primeiro ponto para camping durante a travessia. Servem jantar e café simples, mas saborosos. Local disponibiliza alimentação e área de camping sob taxa, (R$ 25,00 sujeito a alterações).


Casa da Dona Maria (Seu Zé): Outro abrigo tradicional. O camping é feito próximo a casa (terreno irregular) ou a 100 m da casa (local mais adequado), num gramado bom. Dona Maria oferece café e janta saborosa. Possui luz elétrica e banho quente. Não cobra pela área de camping.

Mirante de Tabuleiro (por cima): Fica a esquerda (de quem está olhando para a sede do parque). É basicamente uma pequena caminhada de cerca de 200 m até conseguir visualizar a queda.


Cachoeira Do Tabuleiro (parte alta): São 3 poços propícios para o banho no caminho até a ponta da Cachoeira. Tenha cautela e prudência nesse trecho, ainda mais na ponta da cachoeira. Abortar em caso de possibilidade de chuva.

Cachoeira do Tabuleiro (parte baixa): A cachoeira esta localizada no Parque Municipal Ribeirão do Campo. O Parque é aberto ao público diariamente, das 7h às 16h, porém a entrada somente é autorizada em condições climáticas favoráveis. É cobrada uma taxa de visitação no valor de R$10,00 por pessoa e o limite de visitantes dentro do Parque é de 200 turistas por dia. A trilha que leva até o poço possui aproximadamente 2 km, sendo boa parte no leito do rio. Clique aqui para ter mais informações sobre a trilha até a parte baixa da cachoeira.

Quando ir?


Novembro a Março: Maior risco de chuvas, o que pode atrapalhar a caminhada ou impossibilitar a ida até a cachoeira. Outro problema da época é o calor, a vegetação rasteira predomina no local, com poucos pontos de sombra. A travessia sob o sol forte é mais cansativa e desagradável.


De abril a Outubro: é considerado o período de seca e isto também influencia diretamente no volume dos rios e cachoeiras. A época é de tempo estável e o clima mais frio torna a caminhada mais confortável. Cuidado com os carrapatos nessa época.

Dicas


Água: Você terá pontos de água por quase toda a travessia, mas desconfie e não beba sem tratar a água. A melhor opção é pegar água nos abrigos.


Muitas trilhas: A travessia em alguns momentos é cheio de caminhos e bifurcações, muitas vezes eles te levam ao mesmo lugar, outras não. Se esta fazendo a travessia pela primeira vez possivelmente vai errar a trilha em algum momento. NÃO ENTRE EM PÂNICO: se precisar voltar, volte! Não siga um grupo sem saber se eles sabem o caminho, é comum ver grupos grandes se perdendo na travessia. Existem pontos onde há sinal de celular.

Nunca só: De preferência vá com um grupo de pessoas, com guias ou com uma empresa especializada.


Avalie o Tempo: A grande maioria não avalia o tempo e acaba dormindo em um lugar qualquer. Se gastar mais tempo e não conseguir chegar no seu destino como planejado, procure um local que seja permitido acampar e não espere anoitecer para procurar. (Sim, nem todo lugar na travessia e permitido acampar).


Andar a noite: Não ande a noite sem conhecer a trilha. Se você não tem experiência nessa travessia e melhor não arriscar, suas chances de se perder são grandes.

Dicas de viagem e turismo em Minas Gerais