Buscar

Serra da Canastra

Atualizado: 25 de Nov de 2018


Uma das mais belas regiões de Minas Gerais e do Brasil, a Serra da Canastra abriga rica fauna e flora, além de diversos atrativos naturais.


Seu nome vem da semelhança entre o formato da Serra e do baú canastra - baú com formato retangular, feito normalmente de madeira e muito utilizado no passado.

O Parque Nacional Serra da Canastra:

Conhecido por ser o berço do Rio São Francisco, sua área é de mais de 70 mil hectares, abrangendo seis municípios mineiros, todos com várias opções de turismo e lazer.

Os atrativos mais procurados:

- Nascente histórica do Rio São Francisco:


Ao contrário do que algumas pessoas esperam, na nascente histórica não é possível ver a água minando da terra como em muitas nascentes.  Mesmo assim, o ainda pequeno rio São Francisco vale a pena ser visitado. É a partir dali que suas águas irão percorrer cinco estados e mais de 500 municípios.

​​

- Curral de Pedras:


Um curral feito com pedras empilhadas. Era utilizado pelos tropeiros, que ali paravam para descansar, para prender o gado.


- Cachoeira Casca D’anta


A primeira queda do Velho Chico possui 186 metros de altura. É possível visitá-la tanto na sua parte alta, antes da queda, quanto na parte baixa.

Parte Alta: Antes da queda, o rio forma um belo poço, ótimo para o banho. Em seguida,ainda na parte alta, há uma queda e outro poço maior e mais fundo, que exige cuidado e atenção para quem quiser se banhar. Há, ainda, uma trilha que leva a um mirante de 300 m de altura. O visual é incrível, mas o local também exige atenção.


Parte Baixa:  Um dos locais mais procurados. É de lá que se avista toda a cachoeira. Entrando pela portaria 04 há uma trilha fácil até a queda.

Durante a trilha é possível avistar pássaros e animais silvestres, além da exuberante flora da região. O poço principal é fundo e suas águas são agitadas, exigindo cuidado dos banhistas. Ao longo do rio é possível encontrar vários poços menores  com águas cristalinas, diversão mais segura e garantida para todo mundo.


- Indo da parte baixa para a parte alta por trilha: Existe uma trilha que liga a parte baixa à parte alta da cachoeira Casca D’anta. São cerca de 3,5 km de percurso difícil, não aconselhável para pessoas que não estão acostumadas com esse tipo de atividade.

E não é só isso: 


A região é riquíssima em atrativos naturais. É possível encontrar várias cachoeiras no entorno do parque e nas regiões próximas. Também dá pra curtir as “praias” formadas em vários pontos do São Francisco.

Muitas das cachoeiras ficam em áreas particulares e é cobrada uma taxa para a visitação.

Quem visita a Serra da Canastra também tem que aproveitar e saborear o queijo de lá. Existem várias fazendas que recebem os turistas para ver de perto como é produzido o delicioso queijo canastra.


Quantos dias  são necessários:


Se você quer conhecer só os principais atrativos, três dias são suficientes, desde que você chegue lá na manhã do primeiro dia. Agora se você quer mesmo desfrutar tudo que a região oferece, pode reservar semanas ou até um mês.


Onde ficar:


Isso vai depender de qual atrativo você tem interesse em conhecer, de onde você está saindo e quantos dias vai ficar. Vale lembrar que cada cidade possui outros atrativos além do parque.


O parque possui quatro portarias: as portarias 01, 02 e 03 dão acesso à parte alta da Casca D’anta e a outros atrativos. A parte baixa da cachoeira é acessível apenas pela portaria 04.


As portarias são distantes umas das outras e o parque conta apenas com estradas de terra. Em tempos de seca, elas tendem a estar em “bom” estado, permitindo que carros populares passem. Em épocas de chuva apenas veículos 4X4 conseguem transitar numa boa.

É fácil encontrar opções de hospedagem por toda a região. Há desde áreas de camping pra galera mais roots  ou que não quer gastar muito, a pousadas sofisticadas. Também é possível encontrar casas e chalés para alugar.

​​

Dicas:


- Existem estacionamentos próximos aos principais atrativos. São poucos metros de caminhada do estacionamento à nascente e ao curral de pedras. Na parte alta, o primeiro poço está perto do estacionamento, cerca de 05 min. Na parte baixa, para chegar à queda, tem que caminhar por 20 minutos. A trilha é muito bem demarcada e estruturada.

- Nem todas as operadoras de celular têm cobertura na região.  A Vivo é a que tem melhor cobertura.

- Piumhi é a cidade com melhor infraestrutura da região. Lá você encontra os principais bancos. As demais cidades possuem comercio básico, com supermercados, restaurantes e postos de gasolina. A maioria dos locais aceita cartões de débito e crédito, mas é bom levar dinheiro para imprevistos e locais que não aceitam.

- A entrada no parque custa R$ 10,00 para brasileiros e R$ 20 para estrangeiros.

- É possível ir de ônibus para a São Roque. Basta descer em Piumhi e de lá pegar um ônibus da empresa Transimão. Para ir aos principais atrativos você precisará contratar um guia local.

Dicas de viagem e turismo em Minas Gerais