O que fazer em Luminárias – Minas Gerais

Atualizado: 15 de Abr de 2019

Luminárias ainda não é um destino turístico. Não é à toa que encontramos poucas referências na internet e poucos seguidores do Terráqueos conheciam o município. A cidadezinha de pouco mais de 5 mil habitantes do sul de Minas está localizada entre Carrancas e São Thomé das Letras e foi fundada só em 1948. Talvez por isso mesmo ainda seja pouco visitada. Mas engana-se quem subestima o potencial local. Não falta o que fazer em Luminárias e um fim de semana é pouco para conhecer as montanhas, cachoeiras e grutas do lugarejo.


Luminárias integra o circuito Vale Verde de Quedas D’água, uma região privilegiada para o ecoturismo. É também procurada por praticantes de esportes radicais, já que o relevo, vegetação e hidrografia são ideais para a prática de rapel, escalada, enduro, biking e rafting.


O nome da cidade vem de uma lenda antiga, que conta sobre pontos luminosos que eram avistados na serra todas as noites pelos moradores. Há quem diga que eram pedras preciosas que reluziam na montanha, as águas escoadas refletidas nas pedras e até mesmo OVNIs. O motivo real, porém, nunca foi descoberto.



Estivemos neste paraíso escondido por três dias para contar o que tem de melhor para fazer em Luminárias. Duvido que você não agende uma visita à cidade após terminar de ler este post.


Complexo Serra Grande


É o mais procurado de Luminárias, por conta da gruta que leva o mesmo nome. Com formação quartzítica, uma das mais bonitas do país, tem uma cavidade de 230 m de comprimento, amplos salões e está localizada a 14 km do centro da cidade. Quem visita o complexo ainda tem acesso à Cachoeira Serra Grande, que tem uma queda de aproximadamente 12 metros e um poço ideal para banho. Além da queda principal, há ainda outras duas quedas menores acima e um escorregador natural alguns metros abaixo.


A partir da sede de Luminárias, são 12 km no sentido Carrancas. Depois, basta entrar à direita em direção ao Pico do Cruzeiro e seguir à esquerda. A entrada custa R$ 5.


Cachoeira da Pedra Furada


Também conhecida como cachoeira do Funil, são duas quedas d’água – a primeira delas, peculiar. A cachoeira se forma a partir de um furo em uma das pedras do leito do rio. Há ainda algumas piscinas naturais e corredeiras boas para nado, além de muitas pedras para repouso. A região concentra uma quantidade grande de espécies aracnídeas. É importante ter cuidado.


Cachoeira da Pedra Furada



Há duas formas de chegar à cachoeira. Quem não gosta muito de caminhar, pode seguir de carro pela estrada que liga a cidade à região do Mandembe, via fazenda da Palestina. Do estacionamento até a queda são apenas 10 minutos a pé. Porém, a estrada por esse caminho é pior e mal sinalizada.

Quem prefere fazer trekking, pode pegar a saída para Carrancas, mesma direção da cachoeira Serra Grande, e acessar a cachoeira pela trilha que sai atrás do Pesqueiro e Bar do Lu. São 3,7 km de caminhada por trilha bem demarcada. Neste trajeto, a estrada é bem conservada e um carro popular não terá problemas para trafegar. Independente da sua escolha, em determinadas épocas é cobrado R$ 5 pela entrada.


Cachoeira das Esmeraldas




Quem opta por acessar a cachoeira da Pedra Furada pela trilha que sai do Pesqueiro e Bar do Lu, pode conhecer também a Cachoeira das Esmeraldas. Uma segunda trilha sai do mesmo lugar até a queda e poço de águas esverdeadas. São 1,1 km de trajeto a pé até a cachoeira, mas a trilha percorre o leito do rio – o que complica um pouco o acesso.


Complexo do Mandembe


Um trecho de 8 km de estrada de terra liga a cidade de Luminárias à fazenda do Mandembe. A partir daí, são 2 km de caminhada até a Cachoeira do Lobo. Com duas quedas e piscinas naturais, o local é belo e de difícil acesso. Até mesmo por isso, é uma das mais tranquilas da região.


Mais 2 km de trilha após a entrada da trilha da Cachoeira do Lobo leva às Cachoeiras do Mandembe. Boa parte do ano, a trilha acontece pela água – por isso pode ser necessário o apoio de um guia. A queda tem cerca de 3 metros e na região ainda é possível observar o encontro das águas do Ribeirão do Mandembe com o Rio Ingaí.


Outras cachoeiras de Luminárias


Menores, mas não menos importantes, muitas outras quedas d’água de Luminárias são um convite para se refrescar. De fácil acesso, a Cachoeira do Paredão tem duas piscinas naturais rasas e um poço profundo, além de um escorregador natural. Próximo a ela estão o Poço do Moinho (saída pelo bairro São Sebastião) e as cachoeiras Dovanil e do Mamono.





Outra cachoeira que vale a visita, mas somente se você não se importa de não se banhar, é a Cachoeira da Usina da Fumaça. Durante anos, a usina forneceu energia elétrica para o próprio município e para Ingaí, por conta da força das águas da cachoeira – que impedem o nado. Já desativada, as instalações, a barragem e a casa de máquinas continuam lá e são bem interessantes. A estrada de acesso sai da entrada principal da cidade, um pouco antes da ponte de mão única.


Água Santa


Quem vai com grandes expectativas pode ser que se decepcione, mas vale a pena dar um pulo na casa do Sr. João para conhecer o poço famoso por conter a Água Santa. É pequeno, raso, mas consiste em uma nascente historicamente famosa pelo poder de cura milagrosa de suas águas e, por isso mesmo, destaca-se como um dos principais atrativos turísticos de Luminárias. Além disso, o Sr. João é a simpatia em pessoa e bate papo com todos os visitantes – além de cobrar pela visita.


Saindo pelo bairro do Espigão, basta seguir pela estrada para o Estreito e Vista Alegre. Ao passar pela primeira ponte após o bairro Ribeirãozinho, vire á direita. São 300 metros até o início da trilha (é possível acessar sem entrar na casa do Sr. João).


Patrimônio histórico-cultural


A cidade está no Caminho Velho da Estrada Real e foi utilizado utilizada durante séculos por desbravadores em busca de riquezas e descobertas. Quem não gosta de cachoeiras, encontra outras opções do que fazer em Luminárias. Construída em 1798, a Capela do Carmo foi restaurada recentemente e hoje destaca-se por sua singeleza, mas grandiosa beleza. A torre do relógio, construída no terreno, mas dissociada da igreja, dá um charme especial. Programe-se para conhecer pois só fica aberta nos horários em que acontecem as atividades religiosas e é um passeio à parte acompanhar a chegada das senhorinhas da comunidade para a missa.




Para ter uma noção da grandiosidade natural da cidade, um ótimo ponto é o Morro do Cruzeirinho, onde está a estátua de Cristo com 12 metros de altura. O acesso de carro é fácil e a vista compensa – principalmente no pôr do sol. Os mais animados ainda podem subir pela escadaria de cerca de 300 degraus.





Onde ficar em Luminárias?


Não são muitas as opções, mas todas estão bem localizadas no centrinho da cidade ou próximo aos complexos de cachoeiras.


Pousada Serra da Luz – (35) 99919-0952 / www.pousadaserradaluz.com

Pousada Vó Vevinha – (35) 3226-1425 / (35) 99959-9247

Pousada Flor da Pedra – (35) 3226-1118 / (35) 99924-5549


Há ainda um camping, mas ele se localiza fora da cidade, próximo à cachoeira do Mandembe. Para reservas, o telefone do Lamps Camping é (35) 99936-0012.


Se você vai com um grupo grande, como a gente, pode locar o sítio da Afonsa e do Lucas. São quatro quartos, com 12 vagas em camas e mais 3 vagas em colchões. O Recanto La Serena fica próximo à Usina da Fumaça. Contato: (35) 99975-5350


Tem mais dicas sobre a cidade?


Não deixe de comentar esse post ou entrar em contato conosco via instagram @terraqueosMG. É você quem nos ajuda a fazer do blog um local cheio de informações completas para os viajantes de Minas Gerais.

1 comentário

Dicas de viagem e turismo em Minas Gerais